3 de fev de 2016

O conflito | Dinheiro X Espiritualidade


Compartilhando outro caso recente com o Registro Akáshico.

Mulher madura, solteira, com dificuldades financeiras, falta de cliente e quando tem cliente fica com um misto de sentimento de culpa e vergonha ao cobrar pelo seu trabalho (massagem e reiki).
Tendência ao isolamento. Ela queria entender o motivo de evitar o contato social, sempre preferindo ficar sozinha.

Ao realizar a leitura do RA foi revelada qual vida estava em ressonância com estas dificuldades.
Numa vida anterior, ela foi um homem que se dedicou à vida monástica, fez votos de pobreza, castidade e lealdade.
Na época escolheu a vida monástica atendendo ao pedido da sua Alma, por sentir a necessidade de conexão espiritual. O seu lado espiritual se fortaleceu, viveu única e exclusivamente para isso.
Como houve um “excesso”, o espírito dela resolveu que equilibraria as outras áreas da sua vida e colocou-a em novas experiências para poder lidar com o que foi menos desenvolvido naquela vida.

Resumindo...
Na vida atual, a aspiração em “servir à Deus” ainda é muito forte, tem uma sensibilidade aguçada e faz caridade sempre que pode. Mas a sensação de culpa por cobrar para enviar energia (Reiki), inconscientemente afasta seus clientes, assim ela evita  ter que lidar com o dinheiro.
A tendência ao isolamento é muito forte, porque viveu em constante meditação e comunhão com Deus naquela vida. E por estar preenchida espiritualmente até hoje, não sente necessidade da companhia de outras pessoas.

O aprendizado para o momento atual, segundo os guias dos Registro Akáshicos dela é:
  • Compreender que a espiritualidade pode ser vivida plenamente, sem obrigação religiosa.
  • O isolamento é saudável desde que seja uma opção e não uma obrigação.
  • Compreender a importância do trabalho que realiza e que o dinheiro é apenas uma energia de troca. 
Essa história pode ser similar ao de muitas pessoas. O conflito do dinheiro X espiritualidade, como se fosse errado uma pessoa espiritualizada ser bem sucedida.
Cada caso é um caso. Não ter dinheiro não significa que fez votos de pobreza numa vida passada, pode ser tantas coisas que só o seu Akasha pode revelar.

E você, está pronto para receber a sua revelação através da Leitura Akáshica? 

Gratidão, Paz e Luz
Eu Sou Rosangela Matsushita
Terapeuta Akáshica a serviço do Bem Maior
Este texto foi escrito por Rosangela Matsushita
Se for compartilhar, por gentileza dê os créditos

.






25 de jan de 2016

Uma Nova Fase

 

Gostaria de compartilhar algumas novidades sobre o trabalho com a Leitura do Registro Akáshico (RA).
Durante dois anos realizando a Leitura do RA, eu escutava as informações e passava para a pessoa. Às vezes o meu mental dava o ar da graça e atrasava o processo, tornando a leitura muito lenta. Mas mesmo assim a leitura fluía bem. Entretanto algo inesperado ocorreu para mudar de vez a forma como trabalho com o RA.

Dia desses estava muito tensa com a situação da minha cachorrinha que estava com um tumor na mama e parecia um estágio avançado. 
Resolvi levar na Vet aqui perto de casa e chegando lá a vet condenou a minha cachorrinha, disse que ela não pegaria o caso por causa dos riscos e que a especialidade dela era pele e não oncologia (ué, se não é a especialidade dela por que falou que o caso era terminal?) . Não senti confiança nenhuma.
Chegando em casa consultei o RA da minha cachorrinha e ela dizia que não queria ser operada. Depois consultei o meu RA.
Quando abro o meu RA comecei a sentir uma presença muito forte  no meu campo e deixei a coisa fluir. Era o meu guia espiritual se manifestando.
Ele veio de mansinho e muito feliz, eu podia sentir a alegria dele em mim e começou a falar sobre o caso da minha cachorrinha.
Me aconselhou a procurar por outro vet, deu recomendação sobre o vet ideal. Disse que o caso dela não era grave mas que precisava de cirurgia porque se a pele se abrisse, ia dar complicação. Me tranquilizou dizendo que o vet indicado por ele, tem uma vasta experiência e que iria dar tudo certo.
Falou também que apesar do RA da minha cachorrinha dizer que não queria fazer cirurgia, era para fazer mesmo assim.
Não pensei duas vezes e fomos à consulta.
Chegando lá o doutor examinou e disse a mesma coisa que o meu guia havia falado, que aquele tumor teria que ser retirado para evitar que machucasse a pele e ter uma ferida aberta porque não iria fechar sozinha. Além disso ele recomendou não apenas a retirada do tumor local, mas toda a cadeia mamária. Fez uma bateria de exames e deu tudo certo, cirurgia, pós operatório, cicatrização, tudo muito bem.

Bom, tudo isso só para contar como foi que o meu guia se manifestou para mim. Foi num momento de grande apreensão, afinal a minha cachorrinha é idosa, e ter que passar por um processo tão invasivo, me deixou muito abalada. Foi exatamente quando precisei de apoio, ele se manifestou para me confortar, e confesso, foi lindo!
A partir desse dia em diante a nossa relação foi se fortalecendo. Ele passou alguns “deveres de casa” para mim. Elogia quando faço bem feito e me repreende quando algo não está bem feito. Monitora e corrige os erros como um verdadeiro professor.

O que mudou? 
Agora é ele que está à frente do trabalho com o Registro Akáshico. É revelado o que está por trás dos problemas que a pessoa traz para a leitura. Em que vida se originou o problema e como resolvê-lo. Geralmente são dicas bem simples de serem seguidas.
Ele explicou que desde 2013, eu estava sendo preparada para este momento. Estamos trabalhando numa parceria. Ele recebe as instruções do Akáshico da pessoa e usa a minha voz para se comunicar. O meu guia vai falando e eu fico escutando. Tenho aprendido muito com ele e com cada pessoa que passa pela leitura do Akáshico.
Essa nova abordagem tem sido muito gratificante para mim.
A revelação que acontece na leitura serve para que possamos nos libertar do peso das experiências passadas e que está influenciando a nossa vida de hoje.

Nós somos um espírito eterno. Tivemos várias vidas. Cada vida é como se fosse um capítulo de uma novela. E quando estamos num novo capítulo, “esquecemos” o que aconteceu no capítulo anterior. Esse esquecimento é a oportunidade que temos de construir uma nova história, com menos dramas e capítulos mais felizes. 
Por outro lado esse esquecimento é apenas temporário. 
Num determinado período da vida, algum fato traumático ou de grande estresse, pode nos fazer acessar o que está no nosso Akasha – espaço onde estão arquivadas todas as nossas experiências como espírito. Quando fazemos esse "link", passamos a ter as mesmas sensações que tínhamos na época do ocorrido e transportamos de maneira inconsciente essa sensação para a vida atual. Por isso muitas vezes temos síndromes e várias dificuldades e não sabemos o motivo. 
Não estou dizendo que o motivo de todo sofrimento é por causa de vidas passadas, mas também não podemos fazer de conta que não temos nenhum histórico (Akasha) e que ele não exerça nenhuma influencia sobre a nossa vida atual. Nem entro na discussão sobre acreditar ou não em vida passada ou reencarnação, porque para mim isso é óbvio. 

Se fosse para definir o propósito da Leitura do Registro Akáshico em uma palavra: LIBERTAÇÃO!
Você está pronto?
Gratidão, Paz e Luz
Eu Sou Rosangela Matsushita
Terapeuta Akáshica a serviço do Bem Maior
Este texto foi escrito por Rosangela Matsushita
Se for compartilhar, por gentileza dê os créditos

.

19 de jan de 2016

Um caso recente atendido com R.A. Procrastinação, por quê?


Uma mulher veio para a leitura do Registro Akáshico para saber o motivo da procrastinação dela. Ela sentia muita angústia, pois tinha um monte de afazeres e não conseguia executá-las, sempre empurrando as coisas para outro dia, outro mês, outro ano e assim sucessivamente. A bagunça estava aumentando, a casa deteriorando e ela não conseguia fazer nada.

Foi revelado através do R.A. que o problema da mulher, era um conflito com as impressões de quem ela havia sido no passado.
Numa vida passada, ela era uma cigana, tinha um espírito livre, alegre e sempre em movimento, viajando, se aventurando, e a única preocupação dela era em como se manter sempre bonita com seus vestidos e acessórios. A casa dela era uma cabana que podia ser dobrada e transportada para qualquer lugar. Ela não tinha casa para cuidar, não tinha marido ou filhos.

Hoje ela tem uma casa que requer manutenção, limpezas, tem marido, filhos, trabalho, animal de estimação, compromissos, enfim, uma vida totalmente diferente daquela época.
O conflito existente é que ela tem vontade de ser livre como era naquela época, mas se vê impedida de viver a mesma liberdade, pois hoje ela tem a casa, tem um monte de coisas e esse monte de coisas cria uma revolta dentro dela, do tipo: Eu não quero fazer isso, odeio ter que cuidar de tudo isso.

Com a leitura do Registro Akáshico foi revelado que o aprendizado dela é:
A necessidade do equilíbrio entre a liberdade e a responsabilidade.
Responsabilidade não significa falta de liberdade.
É possível ser responsável com alegria.

Depois da leitura ela compreendeu o motivo da procrastinação. Passou a fazer pequenos atos no seu dia-a-dia de forma consciente a fim de superar a procrastinação. Tem mais ânimo para realizar tarefas que antes eram enfadonhas, como organizar o seu quarto, e separar coisas para descarte. Tem uma lista de compromisso diário e ao que tudo indica, está conseguindo fazer a sua parte.

Resumindo:
A leitura do Registro Akáshico revela qual vida está ressoando com a sua dificuldade atual.
Ao revelar libera a energia que ficou presa na experiência, facilita o entendimento sobre as suas dificuldades, traz à tona o que antes estava oculto e qual deve ser a nova postura diante do que foi revelado.
O que a pessoa vai fazer com o que foi revelado, dependerá da sua escolha. Ela escolhe se participa ativamente das suas mudanças ou não.

  
Gratidão, Paz e Luz
Eu Sou Rosangela Matsushita
Terapeuta Akáshica a serviço do Bem Maior
Este texto foi escrito por Rosangela Matsushita
Se for compartilhar, por gentileza dê os créditos

.

10 de jan de 2016

O auxílio espiritual através da Leitura do Registro Akáshico


Dia desses, conversando com o meu guia e amigo espiritual, perguntei para ele o porquê temos que sofrer, por que um aprendizado vem com tanto sofrimento? E eis que ele me responde que sofrer é opcional. Com seu jeito simples de ser, explicou:

"Para aprender não é preciso sofrer. Sofrer é opcional. 
Dependendo das escolhas que a pessoa faz durante a vida, ela sofre por desconhecer o que está por trás das escolhas.
Todas as pessoas carregam memórias remanescentes  de outras épocas - vidas passadas - e essas memórias exercem influência na vida atual.
Essa influência faz com que ela escolha caminhos que podem levar ao sofrimento por falta de informação. Quando ela está no sofrimento, é convidada a realizar mudanças, a descobrir aquilo que está oculto dentro de si a fim de se libertar."

É possível descobrir o que esta oculto dentro de nós, é possível trazer a informação do motivo das nossas escolhas que nos levam a ter certas atitudes e comportamentos que nos fazem sofrer.
A leitura do Registro Akáshico possibilita e ajuda nesse processo.

A partir do momento em que há a revelação através da leitura do Registro Akáshico, nós somos capazes de olhar para a nossa vida de outra perspectiva, porque aquilo que foi revelado na leitura, automaticamente deixa de estar "oculto".

Ter a noção da origem primária dos nossos bloqueios através do Registro Akáshico, por si só já é parte de uma cura espiritual. Após ter recebido a informação, é esperado de nós, um movimento consciente de superação desses bloqueios.

Se você estiver passando por uma fase assim, por que não conhecer o trabalho com a Leitura do Registro Akáshico?

Se sentir no seu coração, entre em contato através do email: lefani@gmail.com
Este é um trabalho que realizo com muito amor e seriedade.

Gratidão, Paz e Luz
Eu Sou Rosangela Matsushita
Terapeuta Akáshica a serviço do Bem Maior
Este texto foi escrito por Rosangela Matsushita
Se for compartilhar, por gentileza dê os créditos

.


26 de dez de 2015

O que esperar do futuro?


A história de um futuro em potencial que poderá ser a minha ou sua, dependendo das nossas escolhas.

Na minha infância eu corria descalça, carregava uma boneca pendurada pelos cabelos em minhas mãos e onde eu ia, a minha boneca estava sempre comigo. 
Fizesse sol ou chuva, eu gostava mesmo era de andar descalça. Meus pés sempre sujos e algumas vezes machucados, sempre me deram a liberdade de ir onde eu quisesse. 
Meus pais enlouqueciam com a minha rebeldia, eu não era obediente, era dona da minha vontade. Quando conseguiam me pegar era para dar umas surras educativas, mas eu, sempre cheia de travessuras não ligava. 
Adorava me molhar na chuva, me lambuzar de terra, não sabia o que era bactéria ou vírus.
Às vezes adoecia, mas nunca por falta de vontade de viver.
Aos poucos aquela criança foi crescendo e foi tomando “juízo”.
A vida de adulta sempre pedia um comportamento adequado para a idade.
Fui me moldando conforme a educação da família e da sociedade, sempre castradora, não pode isso, não pode aquilo, isso é feio, isso não é coisa de menina...
Hoje sou uma idosa que viveu como se não estivesse viva.
Deixei a criança alegre de lado e com isso a minha alma adoeceu. De vez em quando a criança que fui no passado quer sair do canto escuro, mas eu me seguro, afinal é muito feio ser criança na minha idade.
E assim os dias da minha vida foram se tornando cinza, até que virou noite. Agora já é tarde.
Sinto saudade dos meus pés sujos... Hoje apesar dos meus pés limpos, não tenho mais a vitalidade que tinha antes... Meus pés que eram ágeis, hoje mal conseguem sustentar o peso do meu corpo que teima em permanecer curvado.
Tenho saudade de me molhar na chuva. Hoje se me molhar na chuva posso ter uma pneumonia e pneumonia na minha idade é perigoso.
Tenho saudade de tantas coisas... Coisas que não tive coragem de viver e arrependimento de não ter tentando...
Apesar de estar  viva, sei que poderia ter feito outras coisas, mas eu sou fraca e covarde. Queria ter a juventude de volta...
Oh vida por que me foi tão cruel? Tu me deste tudo e ao mesmo tempo nada...
- Canalização de um campo

Crescer e evoluir não é uma escolha, é um destino. 
No final das contas, você vai ver que o seu compromisso não era algo megalomaníaco, mas simplesmente fazer você feliz. Volte a ser criança se for preciso, mas nunca desista de si mesmo porque só você é responsável pela sua vida.

Que agora no finalzinho de 2015, possamos “resetar” as nossas experiências frustrantes e ficar somente com aquilo que valeu a pena.
2016 já bate à porta, e tenha certeza, será tudo que a sua vibração e crença permitir.
Crise? Catástrofes? Bem-aventurança? Paz? Sim!!! Todos os futuros em potencias, depende de onde você escolher ficar.



Gratidão, Paz e Luz
Eu Sou Rosangela Matsushita
Terapeuta Akáshica a serviço do Bem Maior
Este texto foi escrito por Rosangela Matsushita
Se for compartilhar, por gentileza dê os créditos

.